“Levanta-te e come, porque tens um longo caminho a percorrer” (1Rs 19, 7)

Na Bíblia, a intervenção constante da Palavra de Deus obriga o profeta a sair do lugar onde se encontra para o lugar onde Deus o quer (1Rs 17, 2 / 17, 5.9 / 18, 1.12.66 / 19, 7.11.15 / 21, 18 / 2Rs 1, 3-15 / 2, 2-4 / 5, 6-11). Elias deve caminhar. E invariavelmente a resposta é esta: “E Elias partiu e fez como Javé tinha mandado!”. Com efeito, desde o momento em que Elias se abriu à ação da Palavra, sua vida é só movimento. Já não pode parar. Deve andar sempre. Sair de um lugar para outro. Ele já não se pertence. A Bíblia nos apresenta a imagem de um homem cuja vida se resume numa despedida contínua.

Um peregrinar constante em busca do que Deus queria dele. Elias viveu em estado de permanente êxodo. Tudo isso fez com que ele acabasse sendo conhecido pelo povo como alguém totalmente disponível, que a qualquer momento podia ser arrebatado pelo Espírito para realizar a obra de Deus (1Rs 18,12).

A caminhada marca a vida do profeta Elias

De um lado, a Palavra que atinge Elias em todos os momentos da sua vida, tanto nos momentos de clareza, de coragem e decisão, como nos momentos de confusão, de desânimo e de desencontro. De outro lado, o próprio Elias que parte e se abre, para que a Palavra tomasse conta dele e o levasse por caminhos dos quais ele mesmo nem sempre conhecia o trajeto e nem percebia o alcance.

A Palavra que o chama e convoca inicia nele e por meio dele um processo de mudança e de transformação que atinge todas as dimensões de sua vida. No seu caminho para a montanha de Deus, o Horeb (1Rs 19,8), Elias se encontra numa situação de derrota e de morte: é exatamente este o momento e o lugar onde Deus o atinge, revelando-se na brisa leve.

A expressão “brisa leve” vem do hebraico “demanáh”, cuja raiz significa parar, ficar imóvel, emudecer. A brisa leve indica algo, um fato, que, de repente, faz emudecer, faz a pessoa ficar calada, cria nela um vazio e, assim, a dispõe para escutar, provoca nela uma expectativa. A brisa leve não deve ser entendida no sentido romântico de uma brisa suave no fim da tarde mas sim no sentido de algo que, de repente, fez desintegrar tudo que Elias tinha pensado e vivido até aquele momento. Ela indica o impacto de algum fato que o obrigou a uma mudança radical e o levou a uma visão totalmente nova das coisas. Qual foi a brisa leve que, de repente, provocou tudo isto na vida de Elias?

A voz de calmaria suave era o silêncio de todas as vozes

Silêncio sonoro, música calada, solidão povoada! Elias descobriu que a brisa leve é a noite escura da experiência mística. É o sair de si para se encontrar. Ela derrubou tudo e abriu espaço para uma nova experiência de Deus que aos poucos, foi penetrando na vida de Elias e o levou a redescobrir sua missão de profeta.

Santo Inácio também teve sua experiência de brisa leve. A Autobiografia recorda este momento de iluminação dizendo que “neste tempo Deus lhe tratava da mesma maneira que um mestre trata a um menino, ensinando-o” (Aut. 27). Isto é, a pequenez se apresenta como o umbral do conhecimento interno dos mistérios da fé e do encontro com o Deus peregrino.

A simplicidade, a pequenez expressam um estado interior que é a atitude do coração em estado de receptividade e não de dominação. Esgotada a pulsão de conquista, desde o profundo do ser vai-se abrindo a capacidade de acolhida.

Essa é a pureza de coração que permite ver a Deus

Eis aqui uma das características desse “conhecer a partir do coração”: as diferentes dimensões da pessoa ficam afetadas e unificadas. A ressonância e os efeitos que ver com os olhos interiores deixam em toda a pessoa provocam alegria, intensa satisfação, paz profunda, consolação. Este modo de viver é o que torna transparente a realidade e faz Inácio descobrir a “presença de Deus em todas as coisas e todas as coisas em Deus”. Tudo é “diafania” de Deus. “Esta diafania, essa transparência de Deus em todas as coisas criadas é a que deslumbrou e desconcertou Inácio.” (P. Kolvenbach). A experiência do Cardoner está na base do carisma inaciano de ser contemplativos na ação.

Texto Bíblico  1 Rs 19, 1- 14

 

# Clique aqui e faça o download da versão para impressão desta reflexão
Veja também a reflexão de semana passada

 

Compartilhar.

Deixe uma resposta