James Martin é jesuíta e reconhece seu apostolado nas fronteiras existências, junto também dos jovens LGBTQUIA+. “Uma Igreja para todos”

EDITORIAL MAGIS BRASIL

Foto: CNS photo/Gregory A. Shemitz

A Companhia de Jesus se diferencia em todo o mundo pela sua pluralidade de serviços e missões. As fronteiras geográficas e existências são pilares do carisma herdado por Santo Inácio de Loyola e reflete a ação dos mais de 15.000 jesuítas em todo o mundo.

Dentro das frentes de missão, destaca-se o Pe. James Martin, S.J., jesuíta, autor e editor na revista católica nacional America. Ele é autor de vários livros, incluindo “Seven Last Words”, “The Abbey” e “Jesus: A Pilgrimage”, este último um best-seller do New York Times. Entre seus outros livros, “The Jesuit Guide to (Almost) Everything: A Spirituality for Real Life”, também um best-seller do New York Times, foi premiado com um Christopher Award em 2010 e foi um best-seller número um em livros católicos.

Nascido em 1960, Martin entrou na Companhia de Jesus em 1988 e foi ordenado sacerdote em 1999. Ele é conhecido por sua abordagem inclusiva e acolhedora, que se reflete em seu ministério e escrita. Martin é um defensor incansável dos direitos LGBTQI+ dentro dos ambientes eclesiais,, uma posição que nem sempre é bem recebida por todos os fiéis, mas que ele defende com paixão e convicção.

Construindo Pontes de Compreensão e Aceitação

Seu livro “Building a Bridge: How the Catholic Church and the LGBT Community Can Enter into a Relationship of Respect, Compassion, and Sensitivity” é uma reflexão sobre a relação entre a Igreja Católica e a comunidade LGBTQI+. O livro teve tanta repercussão que se tornou um documentário homônimo produzido por Martin Scorsese, lançado em 2023.

Em uma entrevista à revista America, Martin enfatizou a necessidade de construir uma ponte entre a Igreja e a comunidade LGBTQI+. Ele argumentou que o respeito começa por chamar as pessoas como elas desejam ser chamadas. Ele também destacou a importância de honrar os talentos que a comunidade LGBTQI+ traz para a Igreja, muitas vezes não reconhecidos. Como ele afirmou: “respeito, em primeiro lugar, significa chamar as pessoas como elas querem ser chamadas”.

A compaixão, segundo Martin, começa ouvindo as histórias de rejeição e humilhação que esta comunidade sofreu tanto pela sociedade quanto pela Igreja. Ele argumenta que a compaixão termina ao se posicionar publicamente contra essa discriminação, assim como Jesus protegeu os marginalizados em muitas das histórias que temos de sua vida.

A sensibilidade, um conceito enfatizado pelo Papa Francisco, começa com o acompanhamento. Martin argumenta que a Igreja deve parar de ver a comunidade LGBTQI+ como “outra”. Ele ressalta que a ideia de que a Igreja deve rejeitar o “pecado” dos membros LGBT antes de poder acompanhá-los é um argumento inválido. Martin aponta que Jesus não chamou o centurião cujo servo estava doente de “pagão”, mas curou o servo. Ele não chamou o cobrador de impostos Zaqueu na árvore de “pecador”, mas sim convidou-se para jantar na casa de Zaqueu, onde ocorreu uma verdadeira conversão.

O Papel da Comunidade LGBTQI+ na Igreja

Martin também pede à comunidade LGBTQI+ que trate a Igreja institucional com o mesmo nível de respeito, compaixão e sensibilidade. Ele pede que a comunidade veja a Igreja institucional pelo que ela é: homens finitos lidando com problemas infinitamente difíceis, desde a rapidez com que a cultura mudou ao seu redor até o número decrescente de católicos dispostos a servir como seus ministros ou que realmente praticam a fé.

O trabalho de Martin tem sido fundamental para promover a compreensão e aceitação entre a Igreja Católica e a comunidade LGBTQI+. Seu livro e o documentário homônimo são testemunhos de seu compromisso com a construção de pontes de compreensão e aceitação.

Em 2023, Martin recebeu uma carta do Papa Francisco, que reafirmou a posição da Igreja sobre os atos homossexuais, mas também enfatizou a necessidade de acolher e amar os indivíduos LGBTQI+. A carta foi uma resposta a uma carta anterior de Martin, na qual ele expressou preocupação com os comentários do Papa sobre o tema. A resposta do Papa Francisco, divulgada publicamente pela imprensa do Vaticano, foi um feedback positivo ao trabalho de Martin e um sinal de que a Igreja está se movendo em direção a uma maior aceitação da comunidade LGBTQI+.

Um exemplo

Pe. James Martin, SJ, tem sido uma voz na promoção da inclusão LGBTQI+ na Igreja Católica. Seu compromisso em estabelecer pontes de entendimento e aceitação é um testemunho de visão de uma fé inclusiva, de um Cristianismo de portas abertas. Sua atuação desafia os estereótipos e preconceitos, convidando a Igreja a refletir sobre seu papel de acolhimento e amor incondicional. Que seu exemplo nos inspire a buscar uma Igreja mais inclusiva e compassiva.

Padre James tem sua presença garantida no Sínodo sobre Sinodalidade a ser realizado no Vaticano. O convite veio do próprio Sumo Pontífice.

Compartilhar.

Deixe uma resposta